Futura Secretária da Juventude fala sobre prioridades da pasta

  Para cumprir esta meta, Dino indicou a engenheira de Pesca, Tatiana Pereira, para conduzir a Secretaria Estadual de Juventude (Sejuv), que terá a missão de implementar o Plano Estadual de Juventude, trabalhar de forma integrada junto aos demais órgãos da administração direta e indireta no fomento à políticas públicas de juventude e, também, incentivar a atuação do Conselho Estadual de Juventude. Além disso, com o alto índice de homicídio de jovens no Estado, atuará na implantação de políticas públicas para melhoria dos índices sociais, com estímulo a geração de emprego e renda. Em entrevista, ela fala sobre as prioridades da pasta.
 
Uma das metas apresentadas por Flávio Dino no Programa de Governo foi a priorização de políticas públicas para a juventude. Como a secretaria pretende pôr em prática esta proposta?

O estado do Maranhão tem uma divida com a juventude, segundo os indicadores de qualidade de vida do IBGE (2010), a população jovem maranhense representa 30% da população, quantitativamente 2 milhões de jovens. Segundo o Mapa da violência, a taxa de homicídios aumentou significativamente, subiu para 421,0%, entre as 142 cidades com maior índice de homicídios do Brasil destacam-se: Presidente Dutra (36º), Imperatriz (74º) São Luís (83º), e Caxias (126). Aliado a isso, cerca de 23,9% não estuda e nem trabalha, o que demonstrando o quanto a juventude está alheia a sua capacidade produtiva para o desenvolvimento do Estado. A juventude maranhense quanto ao item fator salário cerca de 47,9% sobrevive com menos de meio salário mínimo trabalhando em média 40 horas semanais. Considerando este cenário claro que é compromisso de governo desenvolver políticas públicas de Estado que garantam e oportunizem a juventude, considerando a diversidade e as necessidades. A política pública de juventude é transversal, assim serão construídas e articuladas no conjunto dos órgãos/secretarias projetos e programas que envolvam os seguintes eixos, tendo como exemplo: saúde, educação, cultura, esporte, segurança e etc. É fundamental neste processo assegurar a participação da sociedade, pois é porta voz dos anseios e perspectiva de um espaço estratégico é o Conselho Estadual de Juventude do Estado do Maranhão que será retomado e respeitado. Aprender e buscar ver a viabilidade de experiências de outros Estados como do Ceará com o fundo de políticas públicas de juventude desenvolvido pela Coordenadoria de Juventude de Fortaleza, Casa da juventude do Piauí, são expertise importantes para o desenvolvimento destas políticas em nosso Estado.

Conhecer a realidade da juventude do Estado com base na própria história de vida e na militância social há mais de uma década implicará em uma política de juventude com base em que premissas?

Entendo premissa como a base da construção, um caminho, assim os alicerces basilares da secretaria são a honestidade no fazer da ação, transparência, respeito e principalmente jamais perder as origens da luta uma vez que minha vida é forjada em desafios onde minha Mãe Raimunda Ferreira Pereira (Dica), me ensinou que na vida tudo que se faz com dignidade edifica nosso caráter. Sei o quanto a esperança do povo e a fé na mudança alimentaram esse momento e continuam respaldando o rumo do nosso caminhada. As contribuições/formação nos espaços dos movimentos sociais nos ajuda a trilhar um horizonte partilhado com a participação social, um Maranhão tecido com fios de sonhos do povo que não se cansa ou cansará de lutar.

Haverá inovações na secretaria? Como será feito o diálogo com a juventude do estado? De que maneira se dará o apoio ao setor?

As inovações realizadas começam com a quebra de paradigmas onde uma jovem negra, da periferia de São Luís, vem pra dentro de uma Secretaria de Estado com o acúmulo de militância em espaços de debate, com o potencial para ajudar a pensar na política pública para um segmento tão esquecido, uma vez que minha vida é a mesma de muitos jovens de periferia que precisam ver respeitados os seus direitos. Quanto as ações na secretaria teremos a missão de desenvolver programas e projetos de referência da Secretaria Nacional de Juventude, ter uma equipe comprometida com a causa, ter um plano estratégico definido e sistêmico com monitoramento das ações. O grande diferencial será o respeito à juventude, ser próxima fazendo a juventude do Estado responsável pela transformação que almejamos considerando sua diversidade/identidade. Quanto ao dialogo com a juventude do Estado os mecanismos fundamentais são: Conferências e o Conselho Estadual de Juventude, reuniões com segmentos que procurarem. Se buscará desenvolver ações que garantam oportunidade de vez e voz, buscando parcerias para realização de suas atividades.

Com uma imensa população jovem o Estado destina pouca assistência à juventude. Haverá parcerias com outras pastas da estrutura governamental para mudar essa realidade?

Sim, realizaremos parceiras com outras pastas, pois a política pública de juventude é transversal e depende de ações conjuntas para efetivação destas, inclusive é uma marca diferente orientada pelo governador eleito Flávio Dino quebrar as caixinhas do isolamento e a unilateralidade e pensar o Estado como um sistema interdependente, onde quando caminhando juntos possamos atingir os grandes gargalos do desenvolvimento.

A falta de oportunidades impulsiona os jovens do nosso Estado para outras regiões do país, servindo de mão de obra barata. Como se dará a articulação da secretaria para promover oportunidades e capacitação para os jovens maranhenses?

O Maranhão é recorde em exportar gente, principalmente jovens, para subemprego em outros Estados, devido à falta de oportunidade e qualificação. Uma forma de reduzir este problema é aumento e melhoria da mão de obra – Programa de profissionalização via o IEMA – Instituto Estadual de Ciência e Tecnologia do Estado do Maranhão, ofertando cursos demandados pelo setor econômico. Além de um programa de incentivo à contratação de jovens ao primeiro emprego.