Rafael Leitoa defende reparos e manutenção imediata na Ponte da Amizade

O bem-estar do cidadão timonense e de todos aqueles que circulam diariamente pela Ponte da Amizade, que liga o Maranhão ao Piauí, voltou a ser defendido pelo deputado estadual Rafael Leitoa, na tarde desta segunda-feira (30), na tribuna da Assembleia Legislativa do Maranhão.

Deputado Rafael Leitoa
Deputado Rafael Leitoa

Em seu pronunciamento, Rafael informou aos deputados que participou, na última sexta-feira (27), em Timon, de uma reunião a convite do promotor Antônio Borges, para discutirem a situação estrutural da Ponte de Amizade.

Segundo Rafael Leitoa, previamente e de conhecimento da gravidade do caso, encaminhou um Requerimento solicitando a participação do Secretário de Infraestrutura, Clayton Noleto, na reunião, que foi representado pelo assessor técnico, José João, que juntamente com a equipe, visitou a ponte e analisou de perto as estruturas em estado de deterioração, para que seja feito um laudo e reforce a gravidade da situação.

Inaugurada em 2002 e sem manutenção há mais de doze anos, a Ponte da Amizade vem apresentando vários problemas em sua estrutura, causando riscos à vida de quem a utiliza para chegar às cidades de Timon e Teresina. Rafael reforçou que a situação da ponte é crítica e lamentável, sendo mais um exemplo de como a cidade de Timon sempre foi abandonada pelo governo de Roseana Sarney e seus representantes na cidade.

“A nossa articulação interna, dentro do governo do Estado, permitiu que o Ministério Público, CREA, possam agir em conjunto, para caminharmos imediatamente rumo à solução do problema e não prejudicar ainda mais a população timonense”, reforçou Rafael Leitoa.

 

Rafael Leitoa defende duplicação da BR 316 e instalação de delegacias

Deputado Rafael Leitoa
Deputado Rafael Leitoa

Nos dois momentos em que esteve presente na tribuna da Assembleia Legislativa, na manhã desta terça-feira (10), o deputado estadual Rafael Leitoa, pronunciou-se em defesa dos moradores da Região dos Cocais.

 Em sua primeira fala, Rafael apresentou dados estatísticos sobre os acidentes graves e com vítimas fatais, na BR 316, trecho entre Timon e Caxias; e cobrou celeridade para que as obras sejam iniciadas. No outro momento, o deputado defendeu a criação do Núcleo de Inteligência da Polícia Civil e da Delegacia de Narcóticos, ambas em Timon, e que buscam um combate mais efetivo contra a criminalidade da cidade.

De acordo com dados da Polícia Rodoviária Federal foram 288 acidentes, em 2014, com 51 feridos graves e 38 mortes. Diante desses fatos, o deputado Rafael lembrou que a duplicação da BR 316, assim como a criação de um Anel Viário na zona urbana de Timon, são de fundamental importância para proteger a vida de quem trafega diariamente por aquela rodovia.

O parlamentar afirmou que permanecerá atento às ações referentes à duplicação da BR 316, pois se trata de uma preocupação antiga e pessoal. Rafael Leitoa informou que está aguardando que Governo Federal realize imediatamente a duplicação, lembrando que, só assim, será evitado que mais vidas sejam perdidas, tanto na zona urbana de Timon, quanto no trecho de ligação à cidade de Caxias.

Rafael Leitoa retornou à tribuna para falar sobre as Indicações de sua autoria, publicadas hoje (10) no Diário Oficial da Assembleia Legislativa. As Indicações encaminham expedientes ao secretário de estadual de Segurança, Jeferson Portela, solicitando a criação do Núcleo de Inteligência da Polícia Civil no município de Timon e a Delegacia de Entorpecentes na naquele município.

“A demanda é tão grande por uma maior segurança que, sem essas delegacias especializadas, a Polícia tem dificuldade de trabalhar, principalmente com os assaltos à mão armada e  homicídios, a grande maioria oriundos do tráfico e do consumo de drogas. Torcemos pela reestruturação da Polícia Civil, já contando com a instalação dessas duas delegacias e por um concurso, o mais breve possível, para aumento do efetivo policial, tanto para investigação e solução dos crimes, quanto para a cobertura das ocorrências relacionadas ao tráfico de entorpecentes”, concluiu Rafael Leitoa.