Levi Pontes visita novo Diretor do Complexo de Comunicação

Deputado Levi Pontes visita novo Diretor do Complexo de Comunicação

O deputado estadual Levi Pontes (PC do B), visitou o novo Diretor de Comunicação da Assembleia Legislativa do Maranhão, Edwin Jinkings, na manhã desta sexta-feira (12), em seu gabinete no Complexo de Comunicação. Na oportunidade, o parlamentar destacou o brilhante trabalho que o ex-diretor Carlos Alberto Ferreira realizou durante anos e desejou boas vindas ao novo diretor.

“O Dr. Carlos Alberto é um homem muito bom e profissional. Fez um excelente trabalho com toda a equipe, mas passou o bastão para o Edwin Jinkings, que, também, tem muita experiência, exercendo cargos importantíssimos em vários órgãos no Maranhão com a comunicação. Agora, irá inovar e continuar um excelente trabalho, melhorando assim, a comunicação da Assembleia que tem investido muito em profissionais e equipamentos de última geração”, destacou Levi Pontes.

Edwin Jinkings agradeceu a visita do deputado, e, afirmou, que irá contribuir com todos os parlamentares da Casa. “Agradeço a oportunidade ao presidente Othelino Neto de chefiar a Comunicação da Assembleia, é um desafio que vamos procurar enfrentar com muita honradez, com ética e com o compromisso e a dedicação que o cargo exige. Nós temos uma boa equipe de profissionais, equipamentos de última geração e vamos continuar investindo e melhorando a nossa comunicação. Estou à disposição de todos os deputados, de todos os servidores para servir e trabalharmos juntos”, destacou Edwin.

Ministros dizem que atuação de Hildo Rocha foi importante para a conclusão do primeiro trecho da duplicação da BR-135

A bancada federal do Maranhão está de parabéns por ter contribuído para a conclusão de um empreendimento relevante para o desenvolvimento do Estado. Todos se empenharam, é verdade. Mas é inegável que entre os 18 deputados federais alguns demonstraram mais interesse, mostraram a cara, fizeram insistentes cobranças ao governo, perambularam pelos corredores do ministério dos Transportes e do Dnit em busca de soluções no momento em que a obra estava paralisada e a população achincalhava a classe política pela situação.

Nesta quinta-feira (11), durante a solenidade de inauguração do primeiro trecho da obra, os ministros Maurício Quintela (Transportes) e Sarney Filho (Meio Ambiente) reconheceram a atuação da bancada e destacaram o empenho do deputado Hildo Rocha. Um merecido reconhecimento, afinal, desde o primeiro mês de mandato Hildo Rocha empunhou a bandeira da causa. Em pronunciamento no dia 24 de fevereiro de 2015 Hildo Rocha fez a primeira cobrança acerca da precariedade das rodovias federais do Maranhão. Daí em diante intensificou a sua atuação em defesa da duplicação da BR-135 e demais rodovias federais do Maranhão.

“Para mostrar a importância do trabalho que a bancada federal realizou, em defesa da duplicação da BR-135, nos vinte meses de ministério, realizei vinte e uma audiências para discutir sobre a obra. O nosso deputado federal Hildo Rocha participou ativamente de todas as audiências que fizemos para que essa rodovia fosse hoje uma realidade”, declarou o ministro Quintela.

“Essa é uma luta de toda a bancada., mas, eu me recordo bem do deputado Hildo que se destacou nessa luta”, destacou o Ministro Sarney Filho.

“Continuaremos na luta para a conclusão da duplicação da BR-135”, diz Wellington do Curso no ato da liberação do primeiro trecho

O deputado estadual Wellington do Curso (PP) esteve presente no ato de entrega e liberação do primeiro trecho de duplicação da BR-135, que vai da Estiva até Bacabeira, compreendendo o Campo de Perizes. Após quase 02 anos de reuniões e cobranças para que a obra fosse concluída, Wellington destacou que continuará na luta para que haja a conclusão da duplicação até Miranda do Norte, conforme projeto.

Na ocasião, Wellington destacou que a duplicação da BR-135 é um dos pontos de sua defesa, nos limites de sua competência de deputado estadual, desde o início do mandato, ainda em 2015.

“Participamos da entrega e liberação do primeiro trecho de duplicação da BR-135, que vai da Estiva até Bacabeira, compreendendo o Campo de Perizes. Essa é uma luta nossa, nos limites da competência de deputado estadual, desde o início do mandato. Destacamos, também, a atuação e comprometimento da Bancada Federal com ações e emendas de Bancada, que possibilitam a realização da obra. Continuaremos o trabalho, fiscalizando e solicitando que a duplicação seja feita em toda a Rodovia. Embora a BR-135 seja de competência federal, nós não nos omitimos na Assembleia Legislativa e atuamos de forma permanente junto ao DNIT e a Bancada Federal. Continuaremos na luta para que haja a conclusão da duplicação até Miranda do Norte. Contem conosco!”, disse Wellington.

Wellington solicita ao Governo explicações sobre nomes de candidatos do concurso da PM que aparecem 5 vezes na lista

Atendendo os questionamentos de inúmeros candidatos que fizeram o concurso da Polícia Militar do Maranhão, o deputado estadual Wellington do Curso (PP) solicitou ao Governo do Maranhão que prestasse esclarecimentos quanto à lista de aprovados. Ocorre que, de acordo com candidatos, há a repetição dos nomes de alguns inscritos, a exemplo de Kassio Henrique Brito Lima, que consta 05 vezes na mesma divulgação.

 

“Esse questionamento não é meu, mas sim dos candidatos que fizeram o concurso da Polícia Militar. São homens e mulheres valorosos que, até agora, não conseguem entender o motivo pelo qual o nome de um mesmo candidato aparece 5 vezes na lista de aprovados. Aguardamos uma explicação, caso haja, para tanto”, pontuou Wellington.

“Preso por fraudar provas no Piauí é aprovado no concurso da PM do Maranhão”, alerta Wellington

Um homem identificado como Miguel José de Carvalho Neto, que já foi preso por fraude no Concurso do Corpo de Bombeiros do Piauí, consta na lista dos aprovados do concurso da Polícia Militar do Maranhão. A situação foi alertada pelo deputado estadual Wellington do Curso (PP), que recebeu a informação de outros candidatos que também fizeram a prova da PM e pode constatar a veracidade no resultado oficial divulgado pela banca organizadora do certame.

Para Wellington, a questão requer cautela para se garantir que os futuros policiais militares do Maranhão sejam, de fato, homens e mulheres honrosos.

“O que colocamos aqui é apenas um alerta para evitar que a fraude contamine o certame. Quem estuda merece sim a aprovação. Se há indícios de fraude, isso deve ser apurado. Esperamos que as autoridades competentes se manifestem sobre os fatos”, pontuou Wellington.

Em Caxias, no Maranhão, dois candidatos foram presos por suspeita de fraude no dia de aplicação das provas. Até o presente momento, os fatos não foram, por inteiro, esclarecidos pelo Governo do Estado do Maranhão. E a população ainda aguarda explicações do Governador Flávio Dino.

Wellington do Curso cobra ações de autoridades para evitar danos em áreas de risco da grande São Luís

Diante das fortes chuvas que caíram na madrugada desta quarta-feira (10), o deputado estadual Wellington do Curso (PP) encaminhou ofício ao Governador Flávio Dino (PC do B) e aos prefeitos dos municípios que integram a Grande Ilha para solicitar uma parceria conjunta a fim de evitar danos causados pelas chuvas, algo que tende a se agravar com a intensificação do período chuvoso nos próximos meses. A solicitação abrange as áreas de risco, sendo caracterizadas como aquelas em que já é comum algum tipo de estrago causado pela chuva.

Wellington atendeu a solicitação de moradores de diversos bairros de São Luís que estão incluídos em áreas de risco próximas a barrancos, encostas e com possibilidade de desabamentos, a exemplo da população da Ilhinha, Coroadinho, Bom Jesus, Sacavem, entre outros.

“Ouvindo os relatos dos moradores nós percebemos que a população está com medo. Está com receio. E é sempre assim: com a chegada da chuva, chegam também inúmeros problemas. O Governo e a Prefeitura podem, e devem, agir de maneira preventiva, para evitar que estragos maiores aconteçam. Alagamentos, enchentes e desabamentos são apenas alguns pontos que os moradores citaram e que, infelizmente, são ‘marcas’ com a chegada das chuvas. Por isso, cobramos aqui ações preventivas, tendo por objetivo proteger o bem mais precioso que a pessoa pode ter: a vida”, pontuou Wellington.

ONG contrata mulher do coordenador de órgão de saúde indígena por R$ 84 mil

Tacyana assina contrato com Imip, mas quem trabalha por ela é uma amiga

Documentos com graves denúncias encaminhados anonimamente ao blog do Antônio Martins mostram que Tacyana Schmidt, mulher do coordenador-geral do Distrito Sanitário Especial Indígena do Maranhão (DSEI-MA), Alexandre Oliveira Cantuária, recebeu dinheiro da União por meio de uma ONG que tem como objetivo a contratação de pessoal, por meio de terceirização, para atuar nas equipes de saúde indígena no Maranhão.

Segundo os documentos, Tacyana que é enfermeira assinou um contrato com o Imip (Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira), em 2016, no valor de R$ 84 mil, para realizar ações voltadas à saúde do povo indígena maranhense. A entidade não possui sequer uma única sede no estado para realizar suas funções e estaria atuando há seis anos dentro do próprio órgão comandado pelo marido da contratada, conforme mostramos ontem.

Além disso, a ONG é a mesma que aparece no relatório de auditoria da CGU (Controladoria-Geral da União) em que apontou que o Ministério da Saúde gastou irregularmente R$ 6,5 milhões destinados a comunidades indígenas entre 2010 e 2012.

De acordo com o relatório ao qual o blog teve acesso, as irregularidades foram detectadas em auditorias feitas pela CGU entre 2012 e 2013 em 2 dos 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas, os chamados DSEIs. Os DSEIs são subordinados à Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), órgão do Ministério da Saúde criado no fim de 2010 para assumir a saúde indígena no lugar da Funasa (Fundação Nacional da Saúde), alvo de denúncias de irregularidades.

Tacyana é contratada pela ONG que presta serviço ao órgão comandado pelo marido dela

Os relatórios foram enviados ao Ministério Público Federal. Atualmente, o ministério terceiriza para três ONGs a mão de obra para a saúde indígena e paga anualmente cerca de R$ 500 milhões à Missão Evangélica Caiuá, à SPDM (Sociedade Paulista para o Desenvolvimento da Medicina) e ao Imip (Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira), que atua sem sede em vários estados onde presta serviços.

O relatório também aponta que o DSEI gastou R$ 2,1 milhões com locação de veículos sem a devida comprovação do serviço e que houve descontrole no pagamento de diárias de viagens. No Maranhão, o esquema envolve um vereador de Grajaú e vários funcionários ligados a um deputado federal.

FUNCIONÁRIA FANTASMA
Embora tenha firmado um contrato de R$ 84 mil para atuar em uma das equipes de saúde indígena no estado, Tacyana é uma espécie de funcionária fantasma. As denúncias apontam que ela encontrou uma forma de driblar a ‘gazetagem’ ao trabalho: resolveu colocar uma amiga, identificada por Ronayra Alencar Carvalho, para atuar em seu lugar. Ronayra também é enfermeira e compõe o quadro de 600 funcionários terceirizados do Imip no Maranhão.

Ronayra Alencar é quem faz tudo que a amiga Tacyana não comparece para fazer

VEREADOR E DEPUTADO NO ESQUEMA
Os indícios que podem comprovar ação criminosa estão vindo a público a partir de denúncias anônimas encaminhadas pelo blog. O esquema que pode levar para a cadeia servidores, empresários, vereador e até um deputado federal pode ser tornar um dos maiores escândalos envolvendo órgãos ligados ao governo federal no estado.

Amanhã o blog vai continuar a série de matérias mostrando como o esquema de diárias destinadas a colaborador eventual virou uma espécie de negócio lucrativo com o dinheiro público. O colaborador eventual é uma pessoa física sem vínculo funcional com a administração pública, mas que recebe alguns benefícios sob a forma de prestação de serviços, a órgãos federais, estaduais, municipais, autárquicos ou paraestatais. Aguardem!

Sem sede, oscip que atua na saúde indígena funciona em órgão público no Maranhão

Órgão público do Maranhão virou ‘sede’ de entidade contratada pelo Governo Federal para atuar na saúde indígena

Documentos obtidos com exclusividade pelo Blog do Antônio Martins evidenciam a existência de um esquema de corrupção que opera no Distrito Sanitário Especial Indígena do Maranhão (DSEI-MA) com o objetivo de favorecer, principalmente, Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs). Uma das entidades beneficiadas é o Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP) – maior organização social de saúde de Pernambuco.

Apesar de receber mais de R$ 2 bilhões do governo federal para realizar as ações voltadas à saúde do povo indígena maranhense, o IMIP não possui sequer uma única sede no estado para realizar suas funções. A entidade que desde dezembro de 2011 mantém à custa de influência política, um convênio com o Ministério da Saúde para atuar no Maranhão, Paraíba, Alagoas e Sergipe, virou uma espécie de entidade fantasma nos estados onde atua, com exceção de Pernambuco, onde funciona sua sede.

Entre os documentos aos quais o blog teve acesso, há um papel timbrado da empresa com a convocação de profissionais que participaram do processo seletivo externo simplificado para contratação de pessoal no âmbito da saúde indígena no estado.

O que causa surpresa no documento é o endereço fornecido pela empresa, disponível no próprio Edital nº 18/2017. O logradouro é na verdade o local onde funciona o Distrito Sanitário Especial Indígena do Maranhão (DSEI-MA), unidade de responsabilidade da Fundação Nacional de Saúde – FUNASA, braço executivo do Ministério da Saúde.

COM AVAL DO COORDENADOR
Em 2014, uma auditoria da CGU (Controladoria-Geral da União) apontou que o Ministério da Saúde gastou irregularmente mais de R$ 6,5 milhões com saúde indígena entre 2010 e 2012. As irregularidades são as mais diversas.

Papel timbrado da empresa com endereço do órgão público

No entanto, o que ficou claro nos documentos obtidos pelo blog é o alto custo com uma entidade privada que, mesmo recebendo R$ 2 bilhões do governo federal, não tem sede nos estados onde presta serviços e ainda usa a água, o telefone, a energia e o espaço público pagos com impostos dos próprios contribuintes.

No Maranhão, segundo foi apurado, o IMIP funciona há 06 anos na sede do DSEI-MA, com o aval do próprio coordenador-geral Alexandre Oliveira Cantuária. As denúncias podem motivar o Ministério Público Federal (MPF) a entrar com uma ação pedindo a restituição à União de partes dos recursos pagos à entidade privada que ‘usurpou’ o erário usando toda a estrutura pública para prestar serviços ao próprio poder público.

Documentos mostram que empresa usa telefone e endereço do DSEI-MA com aval do próprio coordenador Alexandre Cantuária

MAIS CORRUPÇÃO NA SAÚDE
As surpresas não param por aí.  Além de usurpar o endereço, o telefone e energia do órgão público, outras denúncias envolvem o IMIP e o coordenador do DSEI-MA, Alexandre Cantuária. Existem relatos comprovados de contratação de parentes do próprio coordenador e até mesmo influência política em troca de propina que podem respingar num deputado federal maranhense. O caso é gravíssimo e tudo já está comprovado. Por hoje, vamos mostrar apenas o milagre. Amanhã, revelamos o nome do ‘Santo’.

Em São Luís, rodoviários ameaçam paralisação nesta quarta

Presidente e diretores do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão se reuniram nesta segunda-feira, 8, para verificar o repasse de pagamento de salários e outros benefícios dos trabalhadores pela empresas que atuam no transporte público de São Luís. Caso as empresas não regularizem o pagamento dos funcionários, o sindicato recomenda paralisação de ônibus na próxima quarta-feira, 10.

A reunião foi convocada após o sindicato identificar irregularidades praticadas pelas empresas como atraso no pagamento do salário e de benefícios como ticket de alimentação, plano de saúde  e, em alguns casos, o décimo terceiro salário ainda não foi pago.

Nesta segunda é o prazo final para as empresas realizem o pagamento à categoria. A entidade aguardará até o fim do dia, para saber quais empresas não cumpriram com a determinação. A partir daí, o Sindicato confirma que tomará as medidas cabíveis.

“Nesta terça-feira, 9, eu e os diretores da entidade, nos reuniremos para atualizar as informações, ou seja, saber quem pagou e quem não pagou. As empresas que não efetuarem o pagamento dos salários e de outros benefícios em atraso dos trabalhadores, essas terão os ônibus impedidos de rodar na quarta-feira, 10. Iremos recomendar aos trabalhadores que cruzem os braços e permaneçam nas garagens, até que todos os pagamentos devidos sejam efetuados”, anuncia Isaias Castelo Branco, Presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão.

“Quanto aos empresários que realizarem os pagamentos, estes não precisarão se preocupar, já que não haverá qualquer tipo de manifesto nas portas das garagens. Esta é uma medida drástica, mas necessária”, finaliza o presidente.

Assassino de Décio Sá se envolve em briga e mata detendo em presídio de São Luís

O assassino confesso do jornalista Décio Sá, o paraense Johnathan de Sousa Silva se envolveu em uma briga, na Unidade Prisional de Ressocialização de São Luís 4 (UPSL 4), na manhã deste domingo (7). Durante o “banho de sol, Johnathan se desentendeu com Alan Kardec Dias Mota e matou com um pedaço de ferro o detento.